Pleymo

Anemia

Pleymo

LETRA

alineación izquierdaalineación centrofuente mayorfuente menor

O desejo eterno, incerto e sem remorso
que me bate, me vira quase uma arma obscena
Mas sempre tenho como penalidade permanecer
no lugar onde morre minha atenção e minhas tensões se
congelam

Na onda das nossas lágrimas que se tingem.
No anel das nossas almas que se apagam.

E o mal se entrelaça
se elabora, ele me adora e me retem
Meus erros me ferem
Contra meu stress lutarei em vão

Com o tempo agravasse e em minha mente ele se fixa.
O egoismo faz de mim seu escravo, seu rei
mas sempre tive o mal pra deixar ir
e tomar um tempo para observa-lo

No pouco que nos resta para rever.
No fogo dos nossos gestos ao passado.

E o mal se entrelaça
se elabora, ele me adora e me retem
Meus erros me ferem
Contra meu stress lutarei em vão

fuente: musica.com disquito - musica.com

Compartir la letra 'Anemia'

ir a arriba