Disquito de musica.com

Amor de Sogra e Genro

Zé Barth

Añadir a Favoritas

LETRA 'AMOR DE SOGRA E GENRO'

Tô chegando sogra velha veja os versos que te fiz
Se não fosse tu querida eu não era assim feliz
Eu sei que tu és feliz e o teu mundo é maravilha
Mas é só porque tu vives nas custas da minha filha

Sogrinha me dá um abraço que sou teu melhor amigo
Dispensa esses comentários sogra é ruim sogra e castigo
Não enrola genro velho, de ti já perdi a fé
Pois tu só vives na zona e não dá conta da muié

Sogrinha tu não me ofendes que eu vou te dar um presente
Vou te mandar lá pra brusque no ônibus da presidente
O meu genro não imagina como eu fiquei contente
Quando eu voltar de lá vou te trazer um presente

Presente coisa nenhuma escute bem o velha torta
Vou te pagar a passagem só de ida e não de volta
Tu não deves fazer isso deixa eu aqui por perto
Se tu me mandar pra longe não posso cuidar dos netos

Deixa de ser besta e chata, que pra ti eu não me curvo
Eu só não te mato ó velha pra não deixar o diabo viúvo
Para de falar bobagem rapaz tu não és bem homem
Gasta o dinheiro na farra e deixa os filhos passar fome

Fica quieta sua bruaca que a coisa vai ficar preta
Gostava de te ver mesmo debaixo de uma carreta
Agora fiquei nervosa e vou contar pra minha filha
Tu gastou teu ordenado todinho na putaria

Fica quieta sogra velha deixa de falar besteira
Pela tua cara feia eu acho que és macumbeira
Claro que eu sou macumbeira e até sei que tu és um potro
Anda só atrás das éguas e deixa tua mulher pros outros

Diabo nunca teve sogra é um fato verdadeiro
Deus também nunca casou e Jesus morreu solteiro
Se não quisesse ter sogra não devia ter casado
Eu já vinha desconfiando que tu és meio abichalhado

Deixa de falar besteira pois tu és mesmo um porre
A esperança e a sogra é a última que morre
Para de falar besteira seu carinha de boneca
Tu não dá mesmo no couro tu és um borra cueca

Eu sou um borra cueca sogrinha tu não me atenta
Tú já ta com os pés na cova tu és uma catinguenta
Me chamou de catinguenta e diz que tu come tudo
Quer saber bem da verdade és um baita de um chifrudo